coqueiro interno

No silêncio do meu quarto, ergue-se um coqueiro,
Solitário e imponente, no meu mundo inteiro.
Seus galhos se estendem, buscando o céu azul,
Trazendo-me um pouco de paz, um suspiro de luz.

Nas folhas verdes e viçosas, encontro o abrigo,
Um refúgio secreto, onde o tempo é meu amigo.
O coqueiro interno, de raízes invisíveis,
Cresce dentro de mim, alimentando meus impossíveis.

Seu tronco firme e forte, como minha esperança,
Desafia as tempestades, com sua perseverança.
Em cada folha que balança, vejo a dança da vida,
Repleta de desafios, mas também de saída.

No coqueiro interno, encontro forças renovadas,
A coragem para seguir, mesmo nas madrugadas.
Ele me ensina a resistir, mesmo nos momentos de dor,
A encontrar a serenidade, mesmo quando tudo é pavor.

Em seu topo, um ninho, lar de sonhos e anseios,
Onde os pássaros cantam, trazendo-me devaneios.
O coqueiro interno, guardião dos meus segredos,
Sussurra palavras de amor, afastando meus medos.

E assim, na quietude do meu mundo interior,
O coqueiro floresce, trazendo-me amor e calor.
Ele é o símbolo da minha força e resiliência,
Um poema vivo, que pulsa em minha existência.

O coqueiro interno, minha fonte de inspiração,
Convida-me a abraçar a vida, com determinação.
E quando a jornada parecer difícil de seguir,
Lembrarei do meu coqueiro, e não deixarei de sorrir.

coqueiros

Deixe um comentário