coqueiro ralado

Entre o azul do céu e a areia branca,
Ergue-se majestoso um coqueiro,
Sua silhueta esbelta e franca,
Como um símbolo de um mundo inteiro.

Suas folhas verdes ao vento dançam,
Num balé gracioso e encantador,
E no seu tronco forte descansam,
Histórias de vida e de amor.

Nas tardes de sol, sua sombra convida,
Ao descanso e à contemplação,
E sob suas palmas, a vida se despida,
De qualquer aflição.

É o coqueiro, sereno e seresteiro,
Que embala os sonhos de quem passa,
E guarda em seu coração verdadeiro,
A alma e a graça dessa terra tão vasta.

Seu fruto suculento e adocicado,
Refresca corações e paladares,
E em seu aconchego abençoado,
Encontram-se abraços e lares.

Oh, coqueiro, símbolo de pureza,
Enraizado na areia e no mar,
Teu destino é trazer beleza,
E eternamente nos encantar.

Que o tempo não apague tua história,
E que sempre possas florescer,
Coqueiro, em tua glória e memória,
Vivendo para sempre em nosso ser.

coqueiros

Deixe um comentário